forasteira.

por daniellecruz

ando meio torpe.
fechei os olhos para tentar me situar
e todos os pêlos do meu corpo arrepiaram-se.
primeiro os braços, a base da coluna,
minhas pernas.
minha alma lentamente saiu do meu corpo mais uma vez.

ando vendo a vida
como se fosse um filme.
e a atriz principal é bem parecida,
quase igual a mim.
veja só, poderia ser gêmea.
mas não sou eu. aquela não sou eu.
essas coisas não estão acontecendo comigo.
é a vida de um outro alguém.

ando ouvindo tudo
como se nada fizesse sentido.
as palavras são um rumor baixo,
um sussurro maldoso,
me dizendo coisas que eu não entendo
num idioma que ainda não foi inventado.
não há dicionários, intérpretes
de um país qualquer.

ando me sentindo
uma forasteira em meu corpo.
uma estrangeira em minha alma
errante,
solitária
e calada.

Anúncios