por daniellecruz

não é que eu gostasse daquele homem desconhecido
ou amasse, ou desejasse seu corpo contra o meu
era apenas uma admiração contida e ingênua

não era seu sorriso malicioso ou a risada gostosa
eram seus dedos correndo suavemente
as cordas de um violão qualquer
as palavras macias escritas às pressas.
seus interesses, seus pensamentos
avaga esperança numa humanidade perdida
a fantasia de nara correndo sua mente
seus olhos escuros,
não admirava seu sexo.
eu, pequena, platonicamente admirava seu ser.

Anúncios